Muitos gestores ainda têm dúvidas sobre o que é marketplace. Esse modelo surgiu no Brasil em meados de 2012, e é uma espécie de shopping no mundo online.

Impulsionado pelo crescimento das vendas online nos últimos anos, o marketplace foi adotado por gigantes do mercado, como Amazon, Americanas, Mercado Livre e Submarino. Nesse contexto, ele pode ser uma excelente ferramenta para alavancar as vendas de pequenos e-commerces e potencializar os lucros dos maiores.

Ficou interessado e que saber mais sobre o que é um marketplace e como sua empresa pode lucrar fazendo parte de um? Então acompanhe este post até o fim!

O que é um marketplace?

No ponto de vista do usuário, o marketplace é algo bem prático, e a maioria nem percebe a diferença entre ele e um e-commerce tradicional. Os dois são sites criados para vender produtos.

O marketplace é uma plataforma administrada por uma empresa terceira, onde lojistas podem cadastrar sua loja e começar a vender. Existem diversos segmentos adequados ao ramo de atuação da empresa.

Além disso, o consumidor ainda pode efetuar um único pagamento comprando em diferentes lojas, mesmo cada uma sendo responsável pelo envio de seus próprios produtos.

Os lojistas são beneficiados por ganharem mais visibilidade e mais um canal de vendas. Para os clientes é prático, pois não precisam efetuar várias compras separadas para aproveitarem melhores descontos.

Como funciona um marketplace?

Para que você entenda melhor, vamos fazer a seguinte analogia: imagine que você abriu uma loja de lenços e seu amigo também. Entretanto, enquanto a loja dele já está consolidada e reconhecida no mercado, a sua ainda está começando.

Então, seu amigo propõe que você venda seus produtos na loja dele, em troca de um percentual nas vendas, uma comissão. Esse é o funcionamento básico do marketplace.

Para demonstrar na prática, vamos apresentar o que é um marketplace de sucesso com alguns exemplos que você provavelmente conhece!

Americanas

Talvez você não tenha notado que a loja online das Americanas é um marketplace. Além de disponibilizar produtos da própria loja, uma rápida busca no site mostra que também estão disponíveis produtos de diversos fornecedores.

As americanas agregam as melhores ofertas em troca de uma comissão sobre as vendas, que gira em torno de 20%. Além de vender os próprios produtos, vendedores terceirizados deixam o estoque mais robusto. No ano de 2016, o aumento da receita foi de 7,7%, em um total de R$ 6,26 bilhões.

Amazon

A Amazon, uma das maiores redes varejistas do mundo, também não possui um estoque 100% próprio. Por que é interessante para uma loja que é sinônimo de sucesso manter um marketplace?

A resposta é simples: para expandir seu portfólio de produtos e quantidades em estoque, oferecendo uma variedade quase infinita aos seus clientes. Nesse sentido, as vendas efetuadas por parceiros já somam uma média de 40% do faturamento da empresa.

Mercado Livre

O Mercado livre é muito famoso no Brasil e na América Latina em geral. Diferentemente dos outros dois exemplos, este não possui produtos próprios, apenas de fornecedores. Sua receita é oriunda principalmente de comissões sobre essas vendas.

Também existem anúncios dentro da plataforma e seu próprio método de pagamento, o Mercado Pago.

Ao descobrir o que é marketplace, podemos afirmar que é um modelo escalável e com grandes oportunidades de sucesso para todas as partes envolvidas: clientes encontram praticidade, lojistas visibilidade, e a plataforma credibilidade.

Gostou deste artigo? Já tem experiência com marketplace? Comente no post sobre sua experiência!